Polícia Civil deflagra “Operação Alínea 11” na região Central do Estado

0
240

Wherbert Araújo/Governo do Tocantins

A Polícia Civil do Tocantins deflagrou na manhã desta quinta-feira, 08, em Porto Nacional, a 60 quilômetros de Palmas, a Operação Alínea 11, que investiga a prática de associação criminosa, estelionato e receptação qualificada na região. A suspeita é que o grupo tenha causado um prejuízo financeiro às vítimas de mais de R$ 40 mil.

Na operação, conduzida pela 3ª Delegacia de Polícia de Polícia de Porto Nacional, em parceria com a 4ª Delegacia do município (Luzimangues), foram cumpridos mandados de prisão temporária e preventiva e de busca e apreensão. A suspeita é que um grupo criminoso teria aberto uma empresa de fachada com o objetivo de adquirir produtos mediante emissão de cheques sem fundos, sendo revendidos no comércio local. O esquema funcionaria desde o início do ano, onde foram adquiridos e comercializados uma grande quantidade de cerveja em lata, inclusive durante as festividades do carnaval deste ano.

Operação

Visualização da imagem

A Operação ganhou o nome de Alínea 11 em alusão aos procedimentos comumente realizados por estabelecimentos bancários onde, na compensação de cheques, identifica-se que a conta em questão possui insuficiência de fundos monetários para pagamento.

Foram presos nesta quinta-feira, 08, quatro pessoas, sendo três homens e uma mulher. Um deles inclusive já cumpre pena por homicídio na Casa de Prisão Provisória de Porto Nacional. As iniciais dos suspeitos são: W. J. T. S e J.C.N (presos temporariamente), M.A. L. C e H. P.N (presos preventivamente), sendo que este último já se encontra preso por outro delito.

Segundo o delegado Ricardo Real, responsável pela operação, as investigações iniciaram no início de maio, quando duas empresas procuraram a Polícia Civil informando que estariam sendo lesadas por cheques emitidos sem fundos na cidade. As vítimas seriam uma empresa de materiais de construção e uma distribuidora de bebidas em grande escala. “Houve um desfalque significativo para estas empresas. Concluímos que a organização criminosa atuava no mercado na compra de mercadoria, materiais de construção e fornecimento de bebidas”, afirmou.

O delegado ressaltou ainda que uma empresa de fachada na modalidade microempreendedor individual chegou a ser montada, contando inclusive com uma estrutura física alugada para o recebimento dos materiais adquiridos mediante a emissão dos cheques sem fundos.  “O produto do crime era oriundo desta organização,  que alugou um imóvel, onde, em tese funcionaria a empresa de fachada. O local era usado apenas para o recebimento das mercadorias. Tão logo eram recebidas, elas eram encaminhadas aos receptadores”, ressaltou.

Ainda de acordo com o delegado, existe a possibilidade de que uma rede de receptadores atue conjuntamente com a associação criminosa. “Essas mercadorias eram rapidamente retiradas para o destinatário final, que seria o receptador, e que posteriormente comercializavam aqueles produtos”, afirmou.

Com o seguimento das investigações, outras pessoas também poderão ser indiciadas por participação no esquema criminoso. Até o momento não há informações de que o grupo tenha efetuado compras em outros municípios vizinhos a Porto Nacional. Suspeitos foram encaminhados para a Casa de Prisão Provisória de Porto Nacional e para a unidade prisional feminina de Palmas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui