Senado americano absolve Donald Trump

0
118

O presidente americano Donald Trump foi absolvido das duas acusações pelas quais respondia no terceiro processo de impeachment da história americana. Trump foi acusado de abuso de poder e obstrução do Congresso.

As denúncias contra o presidente do Partido Republicano foram votadas separadamente. Na primeira, que trata de abuso de poder, 48 senadores votaram a favor da condenação e 52 votaram pela absolvição. Mitt Romney, senador pelo estado de Utah e correligionário do presidente, surpreendeu a todos ao votar favorável à condenação na primeira denúncia.

Em um discurso emocionado e contemplativo, o republicano afirmou que sabe que sua decisão causará polêmica e se refletirá em seu futuro. “O veredito é nosso, de acordo com a Constituição. O povo nos julgará por quão bem cumprimos nosso dever. Há pessoas no meu partido e no meu estado que vão desaprovar minha decisão de maneira contumaz. Serei veementemente acusado por isso. Mas alguém acredita, de verdade, que eu permitiria que esses atos ficassem sem a sentença inescapável que meu juramento perante Deus me obriga [a dar]? Meu veredito não removerá o presidente de seu cargo, mas haverá uma instância superior a esse julgamento: a decisão do povo americano. Os eleitores farão a decisão final”, concluiu Romney.

A decisão do senador Mitt Romney fez com que ele entrasse para a história como o primeiro senador a votar a favor do impeachment de um presidente do próprio partido.

No segundo artigo, que trata de obstrução do congresso, 47 senadores votaram pela condenação (todos do partido democrata) e 53 votaram pela absolvição. Eram necessários pelo menos 67 dos 100 votos da casa para que Trump fosse removido do cargo.

A denúncia

As acusações foram fundamentadas em contatos que o presidente americano teve com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, ao solicitar uma investigação sobre Hunter Biden, filho de seu possível rival político na corrida presidencial de 2020, Joe Biden. Joe Biden era vice-presidente durante a administração de Barack Obama (2009-2017), e foi o principal articulador político de acordos com a Ucrânia.

Trump suspeitava que Hunter Biden – que recebia um salário de US$ 50 mil mensais como consultor jurídico em uma companhia de gás natural – teria uma relação espúria com empresas ucranianas, nascida de uma suposta rede de favorecimento criada durante o mandato de Joe Biden.

A solicitação de Trump para que Zelensky investigasse o caso teria gerado um “toma lá, dá cá” entre os líderes. O favor para Trump estaria condicionado à liberação de uma verba de ajuda militar de US$ 400 milhões.

O processo

O processo de impeachment foi aberto na Câmara de Deputados americana, que é de maioria democrata – o partido opositor ao de Trump – no dia 18 de dezembro de 2019.

Durante o processo, 13 testemunhas foram chamadas, 17 depoimentos foram colhidos, mais de 180 perguntas foram feitas e 193 vídeos foram usados para o julgamento. O processo gerou mais de 28 mil páginas de documentos.

Reeleição

Logo após o veredito, o presidente Donald Trump foi às redes sociais e postou um vídeo em que aparece sendo presidente “para sempre”. Nancy Pelosi, líder da câmara que rasgou o discurso de Trump sobre o Estado da União na noite de ontem (4), não se manifestou nas redes sociais até a publicação da reportagem.

Trump é cotado para ser a escolha do Partido Republicano para as eleições de 2020, apesar do anúncio oficial ainda não ter sido feito.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui