Governo do Tocantins apoia projeto de enfrentamento e controle da obesidade

0
62

A obesidade tornou-se um grande problema de saúde pública no Brasil e no mundo. Para tratar o assunto, vem sendo realizado em 24 estados brasileiros – incluindo o Tocantins – um projeto financiado pelo Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq), chamado ECOA/SUS-TO: Projeto de Enfrentamento e Controle da Obesidade no Âmbito do SUS/Tocantins. O projeto conta com investimento de R$ 350 mil e objetiva desenvolver produtos e estratégias para subsidiar a implantação e a organização de ações de promoção da saúde, a prevenção de fatores de risco e cuidado pelos profissionais da Atenção Primária à Saúde (APS), voltados ao enfrentamento e ao controle da obesidade no Estado.

No Tocantins, a iniciativa é realizada pela Universidade Federal do Tocantins (UFT), câmpus de Palmas, juntamente com parceiros como a Secretaria de Saúde do Estado (SES), por meio do apoio da Diretoria de Atenção Primária e, ainda, do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Estado do Tocantins (Cosems-TO), Comissão Intergestores Regional (CIR), Comissão Intergestores Bipartite (CIB) e Secretaria Municipal de Saúde de Palmas.

Segundo a nutricionista da área de alimentação e nutrição da SES-TO, Terezinha Franco, “o Estado do Tocantins, por meio da Diretoria de Atenção Primária, vem trabalhando com os municípios, no enfrentamento da obesidade por meio da qualificação dos profissionais da Atenção Primária à Saúde na promoção da alimentação saudável e da vigilância alimentar e nutricional dos usuários do SUS atendidos nas unidades básicas. A SES-TO atua em parceria com a Secretaria da Educação na promoção da alimentação saudável e atividade física dos escolares, por meio dos programas Saúde na Escola e Crescer Saudável”.

“Hoje, o Estado do Tocantins segue a tendência do Brasil e do mundo, com aumento da prevalência da obesidade em todas as faixas etárias. Os principais fatores de risco são referentes ao estilo de vida: alimentação inadequada e falta de atividade física que são associados ao desenvolvimento da obesidade. Já a obesidade é fator de risco para diversas doenças crônicas, como diabetes, hipertensão, dislipidemia, câncer, depressão, entre outros”, enfatizou a coordenadora do projeto, a professora doutora Sônia Lopes, docente do curso de Nutrição/UFT, câmpus de Palmas.

“A prevalência de obesidade varia por cidade e região de saúde. Mas atualmente, os dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan), de 2019, mostram que as regiões de saúde Amor Perfeito e Ilha do Bananal apresentam maior prevalência de obesidade entre os adultos, com mais de 27%”, salientou Sônia Lopes.

Dados

Em 2019, no Tocantins, de acordo com dados do Sisvan, foram avaliados pela atenção primária dos municípios 46.952 adultos (população de 20 a 60 anos), os quais apresentaram algum grau de obesidade, sendo, portanto, a prevalência nos adultos de 25,63%.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui