Exclusivo: Justiça absolve dois PMs de Paraíso que foram presos na operação “fructus putres”

0
3215

Dois policiais militares de Paraíso do Tocantins, que foram presos em operação denominada “fructus putres” (frutos podres), ocorrida em 18 de abril de 2017, e comandada pelo delegado Cassiano Oyama, foram absolvidos pelos Justiça Militar. A leitura da Ata de absolvição foi lida nesta terça-feira, 03 de dezembro.

Os policiais acusados, o capitão, Dianyr Jales da Silva, e o sargento, Doriel Campos de Souza, que na época faziam parte da equipe da PM2, um departamento de investigação da Polícia Militar que era o maior responsável pela apreensão de drogas e pela prisão de traficantes que atuavam em Paraíso, foram acusados pelo delegado Cassiano, de que estariam repassando drogas apreendidas a outros traficantes.

Na época, o Delegado, com mandado de prisão em mãos, foi até ao Batalhão de Polícia do 8º BPM e, após revistas no local, prendeu os dois policiais. Ele sustentou que foram apreendidos no local pouco mais de 100 gramas de drogas.

O caso, que teve grande repercussão estadual, resultou na maior, ou única, confusão já registrada no município de Paraíso, entre as policias Militares e Civil. A invasão ao Batalhão revoltou a PM local e, por pouco, os conflitos não aconteceram.

Os dois PMs ficaram presos durante mais de 8 meses no Quartel do Comando Geral da Polícia Militar, em Palmas. Eles sempre sustentavam serem inocentes e vítimas de perseguições. O Capitão e o Sargento foram libertados e retornaram ao trabalho, mas continuaram respondendo ao processo, em liberdade.

Nesta terça, o caso chegou ao fim. A absolvição foi comentada pelo Capitão Dianyr, alvo da Operação, e que chefia a PM2 quando o caso aconteceu.

“A justiça está sendo feita, aquela sede de fazer o mal contra a gente era coisa fora do normal. Isso deu um travamento na nossa carreira, mas a partir de agora as coisas vão fluir melhor, e as preocupações já passam a ser outras, e com o objetivo da fazer o bem. Não temos nenhuma pretensão de retribuir aos que nos perseguiram porque o mal por si só se destrói. A gente só pensa agora em ‘bola pra frente’ e procurar correr atrás dos objetivos bons. Muito obrigado pela confiança que o Portal Benício e o Correiro do Povo sempre depositaram em nós”, disse o Capitão Dianyr, agora livre das acusações.

Na época, o delegado Cassiano Oyama tinha como testemunhas um casal, que era acusado de ser traficantes. O homem morreu de infarto em um presídio no Pará e sua companheira teria sido presa pela Polícia Federal tempos depois. Já o delegado Cassiano, acabou se envolvendo na morte de um Sargento da PM, em Palmas. Na época, a vítima estava ouvindo som em seu veículo em um bar, quando foi abordado e, após uma discussão, foi morto por uma equipe chefiada pelo delegado.

O clima crítico complicou a segurança em Paraíso, por mais de ano, e resultou no aumento da criminalidade e, consequentemente, na troca de toda estrutura da Polícia Civil e do Comando da PM, de Paraíso. O clima hoje é de parceria e de união. A cidade é considerada tranquila após grandes operações que mantém a cadeia pública local cheia de criminosos.

VEJA PARTE DA SENTENÇA QUE ABSOLVEU OS DOIS PMs:

A imagem pode conter: textoA imagem pode conter: texto

 

Nenhuma descrição de foto disponível.

 

 

Os PMs foram presos nesta quarta-feira (19), durante a operação “Frutos Podres”. No mesmo dia, a Polícia Civil e o Ministério Público Estadual cumpriram mandados de busca e apreensão na casa dos militares e também na sala onde eles trabalham. No local, os agentes apreenderam drogas, como maconha, cocaína e crack, além notas falsas de dinheiro.

O capitão e o sargento estão presos no Quartel do Comando Geral da Polícia Militar em Palmas. Em nota, a PM informou que não aceita esse tipo de comportamento dentro da corporação e que os envolvidos vão responder pelo crime.

Os advogados dos militares foram procurados e informaram que vão se manifestar na tarde desta quinta-feira (20).

 

 

Dois policiais militares foram presos em Paraíso do Tocantins, a 66 km de Palmas, durante a operação “Fructus Putres”, do latim, Frutos Podres. A informação é da Secretaria de Segurança Pública do Tocantins. Com eles, a polícia encontrou drogas, nesta terça-feira (18). A quantidade não foi informada.

A ação foi realizada pela Polícia Civil e o Ministério Público Estadual em cumprimento a dois mandados de prisão preventiva.

A SSP informou ainda que foram cumpridos mandados de busca e apreensão nas casas dos investigados e também em setores do Batalhão da Polícia Militar em Paraíso do Tocantins, onde foram localizadas e apreendidas drogas, bem como outros materiais.

As buscas, segundo a secretaria, foram acompanhadas por membros do Comando Geral e da Corregedoria da Polícia Militar. A SSP não passou mais detalhes porque as investigações seguem em sigilo.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui