Instituto de Criminalística e Ministério Público do Tocantins identificam prática de “esquentar” veículos furtados e/ou roubados

0
305

O Instituto de Criminalística, unidade vinculada à Superintendência da Polícia Científica, identificou documentos forjados e assinaturas falsificadas durante processo investigatório em que foram analisados processos de emplacamento de veículos com suspeita de uso de dados falsos para emissão fraudulenta de Certificados de Registro de Veículos (CRV’s).
A minuciosa análise foi realizada pelos peritos criminais do Núcleo de Documentoscopia Forense e pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Estadual do Tocantins (MPTO). Conforme o perito oficial José Francisco Valim de Almeida, mais de 70 perícias grafodocumentoscópicas foram realizadas neste trabalho conjunto.

Ainda segundo José Francisco, os exames periciais documentoscópicos revelaram a utilização de documentos de origem espúria e os exames grafotécnicos constataram falsificação de assinaturas pelos autores do embuste.  “Constatou-se que os processos de emplacamento foram feitos usando endereços falsos com documentos pessoais em nome de terceiras pessoas que sequer residiam no Tocantins, com objetivo de realizar abertura de processo de primeiro emplacamento e emissão de CRV”. O perito criminal, ressalta que essa prática criminosa é conhecida como “esquentar” veículos roubados ou furtados por organizações criminosas conexas que atuam em vários Estados.

Compromisso

Conforme a superintendente da Polícia Científica Dunya Spricigo, com este trabalho, os peritos oficiais reafirmam o compromisso com a Instituição e atendem com proficiência e zelo ao prestar o serviço de qualidade que a sociedade espera e merece da Segurança Pública do Estado do Tocantins. “A Segurança Pública do Tocantins, dentro do seu universo de operações da Polícia Científica, busca adotar instrumentos que contribuam para garantir a eficiência na produção de provas materiais”.

A diretora de Perícias Criminais Georgiana Ferreira Ramos, por sua vez, destaca que para melhor execução de seu mister constitucional, os peritos oficiais estão sempre se capacitando e estão preparados para constatar fraudes documentais cada vez mais sofisticadas, refletindo de forma direta e positiva na prestação dos serviços necessários à persecução penal.

Núcleo

O Núcleo de Documentoscopia Forense é um setor integrante do Instituto de Criminalística que, em linhas gerais, tem por objetivo a verificação da autenticidade de documentos ou a determinação de sua autoria. Neste intuito, os Policiais Civis recorrem à aplicação de um conjunto de conhecimentos científicos, envolvendo técnicas de análise utilizando equipamentos especializados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui